Julio Urrutiaga Almada
Só voa quem de céu é feito
Capa Textos Áudios E-books Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
Textos
Caronte


Os mortos já nem sei donde.
O rio devora pretensas saciedades.
O homem, no fim, é o que esconde,
Na superfície do olho, as profundidades.

Todo o bem feito ou pretendido,
Se enclausurou o pássaro ou
Pregou na alma o gemido:
Corta as asas do que não voou.

Cruzas o rio de tua sede mortal.
Lambuzas o olho na alma da morte.
A esperança é a última que morde.

A derradeira queda dizem: é fatal.
Viver eternamente não é o casual,
Se paga com a vida, quem morre.

Poemas Mal_Ditos
Julio Urrutiaga Almada
Enviado por Julio Urrutiaga Almada em 05/02/2007
Alterado em 30/10/2007
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Caderno de Ontem R$20,00
Em um mapa sem Cachorros R$20,00
O amor é um precipício do Cão R$20,00
Poemas Mal_Ditos R$20,00