Julio Urrutiaga Almada
Só voa quem de céu é feito
Capa Textos Áudios E-books Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
Textos
O Pós não é novamente


O Meu nome não o dizem.
Minhas mãos, tocar não querem.
Fazem as mesmas coisas
Mas o mesmo de sempre
é o espanto de nunca
Termos visto de tão perto
O que nos mantinha tão longe.
O medo faz doer as pernas
Em centímetros de lento caminhar.
Sem poder tirar a máscara
Com as máscaras de sempre
Incrustadas no corpo:
Estranho copo de
prazeres esvaziados.
Queremos um mundo novo
mas os donos dos cimentos:
Querem soterrar corpos
E perseguir ouros Improváveis.
O medo de morrer
o quero matar
Com sorriso na fronte.
No front a escassez
nos escava:
A fome fala
Amontoar riquezas é
cavar valas.
Juntar as mãos
Sem tocá-las
é o desafio circular
Que nos alargará os olhos.
A esperança não será esperada:
Dividir o presente
Será não morrer
Para sempre.
Julio Urrutiaga Almada
Enviado por Julio Urrutiaga Almada em 20/10/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Cinquenta R$ 40,00